Hoje é dia de pizza, literalmente!

Antes de mais nada, você deve imaginar que ela veio da Itália, correto? Errado.

A princípio, a origem de um dos pratos mais queridos do mundo vem do Egito antigo, onde foi desenvolvida e aperfeiçoada uma massa a partir da mistura de farinha e água. Essa receita foi percorrendo diversas civilizações ao longo da história, o que serviu de base para a pizza que conhecemos hoje, feita com molho de tomate e cheia de queijo.

Na Grécia acrescentaram arroz e assavam sobre tijolos quentes. Os fenícios adicionaram alimento como cebolas e carnes. Mas, como que a receita chegou na Itália? A gente te explica.

Durante a Idade Média, os turcos muçulmanos adotaram o costume alimentar dos fenícios. Com as cruzadas cristãs ao mundo islâmico, a receita dessa “”pizza dos fenícios”” acabou retornando à Europa, especificamente pelo porto de Nápoles, na Itália. 

Chamadas pizzas napolitanas; se tornaram uma forma de acabar com a fome dos italianos mais pobres. Nessa fase eram comidas como um sanduíche e tinham em sua receita algumas ervas e azeite.

O formato redondo também nasceu em Nápoles, ganhando novos ingradientes e se tornando popular entre as classes mais altas. Foram adicionados tomates, toucinho, peixes fritos e quejo (muito queijo!). A receita ganhou fama e em 1830, surgiu a primeira pizzaria da história: a Antica Pizzeria Port’Alba.

Em 1889, o padeiro dom Raffaele Espósito criou uma receita para imitar as cores da bandeira italiana em homenagem à rainha Margherita. Nesta receita foi utilizado queijo mozzarela, tomate e manjericão, e a rainha gostou tanto que dom Raffaele decidiu batizá-la com seu nome.

Com essa afirmação real, a pizza oficialmente deixou de ser considerada comida de plebeu e entrou para a gastronomia típica da Itália. Com as migrações italianas pelo mundo no século XVI e XX, o prato foi sendo adaptado e reinventado, se tornando popular em diferentes países.

Hoje, os Estados Unidos detêm o título de país que mais consome pizza no mundo seguido (sendo peperoni o sabor mais popular). Logo atrás está o Brasil, onde estima-se que todos os dias, consumimos cerca de 1,7 milhão de pizzas! Mesmo com os milhares de sabores que criamos, as mais pedidas por aqui são calabresa, portuguesa e marguerita.

A França, famosa por sua gastronomia sofisticada, está aumentando cada vez mais seu gosto pela pizza. Foi feita uma pesquisa que constatou que um francês come em média de 4 a 5 quilos por ano. Os tipos mais populares entre os franceses são as margueritas e as de quatro queijos.

A Itália, claro, não poderia ficar de fora. Por lá a pizza é um pouco diferente daquela que estamos acostumados aqui no Brasil. A massa é geralmente fininha e crocante, com sabores simples, mas marcantes. Muito apreciada com cerveja, os tipos mais comuns no país são marguerita, marinara, de cogumelo e de quatro queijos.

Os australianos também têm seu lugar entre os maiores amantes de pizza do mundo. Por lá eles têm o costume de criar sabores diferentes misturando ingredientes curiosos e exóticos. O sabor mais pedido é o abacaxi com frango desfiado.

Com uma história que se mistura com a própria história humana – e sendo mundialmente tão popular – é justo comemorar esse dia.

Depois disso, que tal pedir seu sabor favorito, levantar um pedaço pro alto e dizer…

“”Pizza, eu te amo!””